segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

A carta que roubei

Quando adolescente roubei uma belíssima carta de amor de minha avó para meu avô, quase perdi o meu pescoço, mas estou aqui para perpetuar uma linda história de amor!
A carta foi escrita em 1930, lindíssima.

Santa Rita do Jacutinga, 1/09/1930




Saudoso Sebastião.

Amo te!

Recebi tua adora cartinha em que me dizes sentir por mim grande amor. Será isso verdade? Se fosse seria a criatura mais feliz deste mundo. Se o caminho que conduz à verdadeira felicidade é a união de dois entes que se amam, pode confiar em mim, que serei sempre sincera. Não te engano, porque se não houvesse inspirado sympathia, tinha te desenganado na primeira vez que vieste aqui. Adoro-te com mais clemência do que pode o coração humano. Serás tu o meu primeiro amor, o verdadeiro, o único da minha alma?. Não fui a festa porque nos dias estava doente, senti muito não poder assistí-la, com certeza brincaste bastante nem te lembraste de mim, é assim a tua sinceridade para com quem te ama? Peço que seja sempre sincero que eu também te serei.
Adeuszinho, aceita saudades da tua admiradora sincera.
Veronica Fonseca
Lembrança a todos os teus.


Tentei não descaracterizá-la, pois foi escrita com uma letra toda desenhada e há algumas diferenças na forma de grafar.
Gosto da parte em que ela faz um charme ao cobrar o fato dele ter ido à festa, enquanto ela morria de ciúmes em casa adoentada. Acho esse pedaço encantador!
O mais legal é saber que meu avô tinha um amor sem igual pela doidinha da minha avó. De tal maneira, que quando minha avó faleceu, o único desejo de meu avô era morrer. Tanto que quando alguém da família morria, ele tinha uma crise de raiva: "não tinha nada que morrer na minha vez."


Acho que herdei a maluquice beleza de minha avó, que sorte, né?

2 comentários:

Cristina disse...

Seu Blogger é um encanto... adorei a carta de amor de sua avó ao seu avô ela com ciume dele ter ido a festa e ele querer estar com ela além da vida !!! é como diz a música "Quando a gente ama ... simplesmente ... ama é impossível explicar!!!!!

Élis Bruxa disse...

Oh, fico tão agradecida e lisonjeada!
Sua apreciação enche minha alma de alegria!
Muitíssimo agradecida!