terça-feira, 22 de novembro de 2011

Essência

Estamos em tempo de reflexão, tempo de gratidão. A vida tem sido generosa conosco. Temos saúde, inteligência, filhos amados. Portanto, temos muito para agradecer.
Sei que passamos por fases difíceis, mas, entenda, é apenas uma fase. A vida é longa e tem muitos caminhos para percorrermos. 
Voltei da aula caminhando, vim pensando nos desafios da vida.
Minha amiga escreveu uma msg no celular para mim, disse-me estar muito triste, pois o marido dela ficou ontem até tarde na rua bebendo, está andando com pessoas ruins, enfim, ela brigou com ele e está muito triste.
Lembrei-me de toda a minha vida de casada. Sempre coloquei meu marido acima de tudo, permiti-me apagar minha personalidade para ficar ao lado dele. Fiz sacrifícios além daquilo que me era permitido, pois coloquei-me em último plano, priorizei ao meu marido, meus filhos, minha família, enfim, passei anos trabalhando pelos outros e para os outros. Depois veio o enorme sofrimento para entender que não devemos mudar quem somos para conseguirmos amor.  Hoje entendo que foi o único jeito que o Universo encontrou para mostrar-me que precisava cuidar de mim, precisava ser quem eu era e não uma pessoa que tornei-me somente para conseguir amor. E o pior é que não consegui o tão sonhado amor. Porque muitas vezes a gente não entende que as pessoas só podem dar-nos aquilo que elas têm. Hoje não tenho mais a ilusão de que se eu for boazinha serei amada. Muito menos obrigo-me a ser quem não sou. Hoje eu sou o que eu sou, com todos os meus defeitos e qualidades. Claro que esforço-me no sentido de ser um ser humano cada dia mais evoluído, mas não faço esforço nenhum para ser uma pessoa que realmente não sou somente para receber amor. Hoje aprendi que quem tem que me amar sou eu mesma. Quem tem que respeitar-me, sou eu mesma. Hoje sei que somente eu posso dar-me esse amor. Hoje sou minha melhor companhia. Sou minha melhor amiga. Só eu sei onde aperta o meu sapato. E fico um pouco triste, pois se eu soubesse disso tudo antes, teria sofrido menos. Mas nunca ninguém disse-me que é uma ilusão acreditar que teremos parceiros na vida que ama e respeita quem somos. Ou pelo menos, nunca foi dito-me que  devo aprender a amar quem sou, talvez, depois desse real aprendizado, possa existir alguém que me ame como sou. Enfim, nunca foi tão verdadeiro para mim que vale mais estar só do que mal acompanhada. Mas minha vida foi construída de outra forma. Mas, ainda bem, não tenho nada que a minha consciência acuse, pois, se errei, errei muito comigo mesmo, principalmente por falta de auto cuidados, mas cuidei de todos que estiveram a minha volta com o máximo de carinho e atenção que pude e tinha para dar. E a vida é eterna, posso conseguir tudo que desejo, basta querer, pois o verdadeiro querer dará-me poder e capacidade de conseguir. E assim é para todos nós. Todos podem e devem conseguir o que desejam, mas sempre respeitando o livre arbítrio do outro. Pois é fato: Ninguém muda ninguém e ninguém é dono de ninguém e cada um colhe o que planta, seja nesta vida ou em outras vidas, mas a colheita é certa. Conto isso tudo porque foi a reflexão que fiz desta minha vida. Vezes minha vida parece estar acontecendo em uma tela de cinema. Ontem, especialmente, senti-me em uma tela e como a mocinha do filme. Fui à prefeitura levar alguns documentos para o fiscal regularizar a minha empresa, percebi que não daria tempo de chegar à Universidade para apresentar o trabalho, corri, xeroquei os documentos, voltei, escrevi um bilhete para o fiscal, entreguei e sai correndo, lá longe avistei um ônibus parado no sinal, pressenti ser o meu, corri, corri e corri, mas o ônibus saiu, continuei correndo, perguntei, soube que sim, era o meu ônibus, então corri ainda mais, na rua, no meio dos carros, com a pasta nas mãos, o pessoal de dentro do ônibus percebeu a minha correria, avisaram ao motorista, que parou, entrei, então o motorista contou-me sobre os avisos, agradeci, falei do trabalho, enfim, quando o motorista deixou-me em frente ao meu campus, disse-me: conseguimos, você tem dez minutos para chegar na sua sala. Imaginem a cena, é ou não é cena de filme?
Vezes penso que minha vida é toda feita de cenas de filmes. Posso dizer que minha vida não é morna, que darei trabalho para fazerem minha biografia e acho isso bom, muito bom, pois estou tentando viver e estou tentando viver o melhor que posso, mas como quero, posso e consigo. Amei esse mantra que a minha linda amiga Valéria com V ensinou-me:
Eu quero, eu posso e eu consigo.