quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Agitação

Engraçado, mas nossas idéias mudam.
Que bom que é assim.
Sinal que a gente pode evoluir.
Que podemos aprender, que podemos crescer
com cada experiência.
Hoje foi um dia agitado.
Longo tempo atrás, locais interessantes eram chamados "agito".
Hoje não busco este interesse, quero mesmo é a paz.
Porém hoje foi agitado.
Que fazer?
Blasfemar?
Ah, bobagem, isto só atrapalha.
Escolho aprender, escolho viver.
Hoje foi assim:
Dia de entregar o Trabalho de Conclusão de Curso.
Não o meu, mas sim de minha filha.
Ficou dias, melhor, meses dedicando ao seu trabalho.
Cada detalhe muito bem pensado e planejado.
E hoje era o dia de entregar.
Faltava apenas imprimir.
Deixei-a imprimindo e fui cuidar das minhas obrigações.
Entretanto, meu coração estava ansioso, coração de mãe.
Telefone toca, do outro lado meu bebê chorava.
Soluçava!
Estava com problemas para imprimir.
Larguei tudo e corri de volta para casa.
Tentei pegar uma carona, para adiantar.
Houve um equívoco:
A moça pensou que eu iria para o centro e eu queria ir em sentido contrário.
Então perdi o ônibus.
Meu coração apertava.
Veio outro ônibus, que deixaria-me longe, peguei mesmo assim.
Desci três pontos adiante, pois pensei que meu ônibus estava atrás.
Engano!
Logo veio outro, então fui, uffa.
Sentei-me próximo ao motorista para pedir para parar o mais próximo possível.
Narrei meus desencontros e descubro como a vida fala comigo.
O motorista havia enfrentado desencontro ainda maior na noite passada.
Pois pegou carona com ônibus de viagem para sua casa.
O sentido era o da cidade dele, mas o tal ônibus pegou outra rodovia.
Para piorar, tinha que acordar de madrugada para estar de volta para trabalhar hoje.
Quase não dormiu e o desencontro dele era infinitamente maior do que o meu.
Creio que ficamos consolados, cada um com sua história.
A impressão não deu tréguas.
O horário de entregar o TCC expirou.
Continuei com a luta travada com a impressora, os cartuchos, os papéis.
É até engraçado.
Enfim, após seis horas de luta, finalizei. Sim, eu,
pois minha filha precisava ir trabalhar
e eu assumi a impressão e encadernação.
Agora precisava pegar um ônibus.
Aqui em minha cidade,
todos os carros estão indo para o mesmo destino que eu,
porém estão indo com apenas uma pessoa.
Um desejo de pegar uma carona...
Vejo uma moça, pergunto e sim!
obaaaaa! Enfim uma carona.
Uma moça tão querida, tão doce,
estava indo buscar o marido e na mesma avenida que eu estava indo.
Deixou-me e disse, volto em dez minutos e te pego e te levo de volta.
Sou muitíssimo bem recebida,
entrego os TCCs,
agradeço, saio feliz e chego no exato momento que a minha carona está de volta,
entro no carro e chego em casa.
A vida sempre tem algo para nos ensinar.
Basta confiar!




sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Um roubo desproposital

Fui ao RU (restaurante universitário) almoçar. A sobremesa era frutas, como tem gente que não as pega, peguei para mim. Resolvi guardar na bolsa. Assim fiz, bem naturalmente, pois é de fato bem normal tal procedimento. Foi feito bem naturalmente, fico até imaginando a cena. Depois que a gente termina o almoço, temos que levar a bandeja e os talheres para lavarem. Antes a gente joga fora os restos no lixo. Então percebi que meus talheres estavam faltando. Pensei: Minha amiga pegou para levar para mim, pois estou com a mão machucada. Olho e vejo que o volume de talheres que ela entregou era pequeno para o meu estar junto. Preocupo-me: "Será que joguei fora junto com o resto do arroz?" Não, claro que não, havia tão pouco arroz ali, não, não...Fico intrigada com o desaparecimento dos talheres. A colher eu entreguei, mas aonde foi parar o garfo e a faca? Será que caíram no chão? Não, não.... Então resolvi perguntar para minha amiga: "Você sabe onde estão os meus talheres?" E ela responde: "Sim, você os colocou na bolsa."
AHA?!! Como assim?
"Você colocou em sua bolsa."
Nossa, fiquei vermelha, meu rosto parecia que havia uma fogueira acessa de tanto que queimava. Eu queria tirar os talheres de dentro de minha bolsa e não conseguia. Céus! Pedi para minha amiga ir à um canto mais discreto, extrai os ditos de minha bolsa e os entreguei no devido lugar. Minha amiga não parava de rir e eu junto. Ela contou que quando eu coloquei os talheres na bolsa, um rapaz viu, arregalou os olhos, não estava acreditando na cena, olhou de novo e eu lá bem natural, "roubando" os talheres. Fiquei dois dias rindo sozinha. Fico imaginando a cena, eu tão normal, sem nenhum sinal de constrangimento, roubando como se o fizesse diariamente, assim como escovar os dentes, como quem faz algo corriqueiro. Minha amiga estranhou, mas como agi tão natural, pensou tratar-se de algo essencial, quase vital. Enfim, foi uma cena engraçada, digna destes pastelões da sessão da tarde.



terça-feira, 10 de novembro de 2009

Tudo azul

Acredite sempre em si!
Jamais renegue seu poder interior.
Diga sim para a vida.
Diga sim para você.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Tempo




Tempo de celebrar o dom da vida[:)] Tempo de criar novos sonhos! Tempo de plantar novas oportunidades! Nunca pare de caminhar. Sempre avante! A vida é um constante caminhar. E a felicidade só existe dentro da gente. Nada cobra ou espera, apenas existe. Portanto, não espere nada para ser feliz. Seja feliz no seu presente momento.[:)]

sábado, 31 de outubro de 2009

Vida em curso

Seja seu melhor amigo e se aceite exatamente como é.
Acolha-se!
O céu está com um tom azul esverdeado, permeado de dourado.
No fundo um coqueiro sacode sua existência ao lado de uma árvore caduca.
A vida sempre continua, como um rio e deságua no local onde há abundância!
Sacode sua existência ao lado de árvores caducas,
mas lembra que essas recuperam suas folhas,
recupera suas folhas também,
todas estão dentro de você,
todas esperando para serem escritas pela seiva de sua vida.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Revivendo!



“....não estou triste, estou apenas cansada...” Existem frases que são capazes de mexer com o nosso eu mais obscuro. Passam-se anos escondendo, negando, articulando um sentimento, uma emoção, uma dor. Mas até onde é verdadeira a afirmação acima? Já parou para analisar quando fala esta frase?
Cobra-se que as pessoas sejam sempre felizes, bonitas e sadias. O feio, a morte, o sofrimento são todos escondidos com lentes cor de rosa. O cansaço, ah, esse pode existir, pois é filho do trabalho, árduo, constante, esse tem valor, espaço conquistado, direito adquirido. Afinal, é ele quem promove o sucesso, o bem estar financeiro, a garantia de fartura. Bom, esse tem razão e direito de existir, mesmo que escravize, isso é apenas detalhe. E a ira, aonde é autorizada? Não, definitivamente não! Quer ter amor? Então a ira não pode ser vista, esconda-a de si mesmo, que o consuma por dentro, mas nunca, nunca mesmo deixa ser vista.
Loucura, insanidade ou lucidez, o que você procura? Quem quer enganar? Acha-se mesmo capaz? Quantos anos se suportam viver sobre a ótica de lentes cor de rosa?

Mas quebrar uma visão pode ser perigoso, como pousar os olhos, como lançar novo horizonte? Há o medo que paralisa. O chão que teima em faltar. Movimento, que altera a realidade, esse cisma em não acontecer. Para onde vai aquele que apenas usufrui a vida, que caminho percorrem? E aqueles que não se preocupam com os arrebatamentos do outro, que frutos alcançam?

Dor, sofrimento, medo, consomem, matam, destroem. Fênix, suas cinzas são sua vida refeita, costurada, emendada, que diferença faz, o que se faz necessário é apenas o desejo de tê-la restaurado, reescrito e reinventado. Vida, olhar, loucura, tudo se mistura, tudo é real, mas a matéria de que é feito pode ser utilizada para preparar novo banquete. Pensamento em movimento. Cinética do pensamento, luz.
Então pare! Pare sua vida, pare seu momento, sinta, olhe. Entretanto sinta, permita-se sentir, seja o que for, apenas sinta. Não só olhe, veja. Se não gostar, troque, altere, mude. Coragem, força, todos somos capazes de fazer algo por nós mesmo. Jamais se abandone.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Segunda saudosa!

Segunda-feira,refaço o meu percurso. Vou sorrindo por dentro, creio que tal sorriso se expressa em meu rosto; entro na biblioteca como se entrasse em um palácio, meu ainda por cima. Fui recebida com beijos e abraços, pois sou amiga de todos que lá trabalham. Meus olhos percorrem as prateleiras com certa ansiedade; abraço os livros que tanto almejo, apenas não os beijo, olha o mico, mas todo movimento é de reverência. Afinal, estava no meio dos tão amados e desejados livros, que tanta saudades me causam. Surpresa maior, junto à Clarice estava Sandra Lyon, escritora que conquistou meu coração ao primeiro olhar. "O tecedor da chuva" quanta criatividade tem essa mineira de Alfenas, amei o jeito que ela escreve, fiquei inspirada. Pois sempre quis escrever, mas escrever como Clarice não é uma tarefa fácil, o meu estilo, meio complicado, não tenho a bagagem de Clarice, que é um gênio para retratar a alma humana. Entretanto, senti certa identificação com Sandra Lyon.
Perdas necessárias, olhos correndo ansiosos nas prateleiras, eis que de repente surge, verde, cor da cura, “Perdas Necessárias”, abraço fortemente, um sentimento de reencontro. Judith Viorst junta-se à Clarice. Juntas tentam resgatar uma história que foi perdida, a minha história pessoal. Clarice grita: “é perigoso desfazer dos piores defeitos, pois nunca se sabe o que faz a estrura do edifício”.
Sim! Houve uma perda de uma fase ruim, negra, mas era o que estruturava o edifício, que sustentava um imóvel entregue as baratas, que se desfazia aos poucos, desmoronava em si mesmo, desintegrando toda uma existência. Entretanto era só o que existia, existia? Não, não se pode chamar de existência algo que não celebra a vida, e a vida já há muito não era festejada. Então: perda necessária.
Bom, Clarice veio para casa comigo, insistiu que a Sandra viesse junto. Agora estamos aqui reunidas com Judith Viorst, aguardem grandes novidades.
Participem, postem suas aventuras, seus sonhos, suas idéias, postarei meus devaneios.

Escrevi este texto em 2007. Acho interessante, pois retrata a minha busca pela vida e hoje posso garantir que encontrei a capacidade de celebrar a vida!
Tenho outros textos, mostra bem a luta para adquirir capacidade de festejar a existência. Gosto de postá-los, pois quem bem me conhece pode sentir na escrita o quanto sou diferente hoje.
Para mim é um exercício; é uma forma de ampliar minhas buscas e a minha confiança na vida. Muito já temi a vida e, talvez por isto mesmo, muitos obstáculos tive que vencer. E muitos obstáculos ainda tenho que superar, entretanto, sinto-me tão viva, tão grata ao dom da vida, que estes obstáculos são apenas experiências para ampliar a minha capacidade de viver.




quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Praia Joaquina





Praia Joaquina

Era o ano de 1990, mês de janeiro, época de muito sol, praia, crianças pequenas, tudo de bom! Minha sogra havia recebido a visita de um padre amigo da família e me convidou para acompanhá-los nos passeios. Todo turista, naquela época, tinha que conhecer a praia da Joaquina, famosa pelo Surf. Hoje seria a praia Mole. Bom, fui com um maiô preto. Estava acompanhada pela minha sogra, minha cunhada, pela filhinha dela (2 anos), pelo meu filhinho (2 anos), pela minha filha (3 anos) e pelo padre, que não usa batina na praia, é claro.
As crianças gritavam o tempo todo: Mãeeeeeee!
Tudo bem, era o meu maior prazer, só que parecia que as três crianças eram minhas, tudo bem também, pois amo ser mãe. É a profissão que mais gosto, pois tem muitos desafios, e como tem desafios!
De repente percebo um rapaz acompanhando todos os meus passos. No que pensei: "Meu Deus, será que ele é maluco?"
..... "Só pode ser maluco...." pensava eu, meio desesperada......
O rapaz continuava me acompanhando, não só com os olhos, aonde ia ele ia atrás. "Só pode ser maluco..." continuava eu pensando.Então, ele analisou bem o grupo que me acompanhava, deve ter imaginado, à princípio que o padre era meu marido, que as crianças eram todas minhas, sei lá, mas depois de muito olhar, respirou fundo e caminhou em nossa direção. Enquanto ele vinha eu me deseperava: " louco de pedra, Joaquina, praia de lindas mulheres, só tem modelos, por que logo eu?"
Quando ele alcançou nossa mesa disse: Posso sentar-me ao SEU LADO?
Respondi tão seca quanto grossa: Pode mas sou casada e estiquei a mão esquerda para exibir a aliança, a qual hoje só por pirraça não uso mais.
O rapaz, hoje um herói para mim, com toda sua coragem, engoliu seco e disse: " percebi que você tem muita preocupação com seus filhos e pensei em ajudá-la para que possa aproveitar melhor a praia."
Com um tom mais suave, respondi: " Tudo bem, faça como quiser"
O rapaz saíu e ficou cuidando das crianças, o tempo todo. Nisso o padre falou comigo: "
"Elisa, as pessoas precisam de elogios, isso é muito importante para a alma, você errou. Devia ter deixado o rapaz massagear seu ego, ele teria dito que você é maravilhosa, encantadora, muito linda e etc. Você ouviria tudo e gentilmente agradeceria e só então informaria que é casada."
Sempre lembro desse episódio, pois eu só poderia estar precisando daquela massagem.
Perdi a massagem no ego, mais ganhei a lição. Por que é tão difícil aceitar elogios?
Vezes sou minha pior inimiga. Vamos fazer um pacto?
"Só hoje serei gentil comigo!"

Hoje já sei aceitar elogios e aos quarenta e dois anos não posso me dar ao luxo de recusá-los!
E nem quero, é tão bom receber elogios!

domingo, 18 de outubro de 2009

Meu segredo


Tempo atrás criei um sonho muito bom de ser sonhado. Passei a sonhar acordada, ficava feliz, sorria, havia um brilho gigante em meus olhos. Mas meu sonho sofreu contaminação do negativo, do pessimismo, então passei a meio que pesadelar acordada. Comecei a imaginar pessoas que me fizeram mal desejarem fazer-me mais mal por causa da realização do meu sonho. O medo invadiu minha alma, o brilho dos meus olhos foi apagado, meu corpo ficou cansado. Isso que meu sonho ainda nem foi realizado. É a lei do Segredo, ou seja, não me via mais merecedora, ou já estava dando poderes às pessoas, tirando, diminuindo ou mesmo aniquilando o meu poder pessoal. Então ontem antes de deitar-me para dormir, uma energia invadiu meu ser: " Por que está tirando de si sua felicidade? Por que não está se permitindo sonhar? Por que não se acha merecedora? Decidi, preciso de minha amizade, preciso cuidar de mim, preciso aceitar que posso e devo ser feliz. Hoje estou melhorando, mas farei as preces que estão em meu caderno e a oração do Amor. Quando meu sonho for concretizado, todos saberão e vocês poderão ter mais fé em seus sonhos, assim como eu, que estou lutando para vencer minhas limitações. No momento repetirei para mim mesma:

"para não enxergar a traição dos adversários, nem acusá-los com maior severidade do que a mim mesmo."

Escrevi o texto acima dois anos atrás. Hoje nem lembro mais qual era o sonho bom. Entretanto, hoje estou muito diferente da Elisa acima. Estou tão confiante, tão cheia de esperanças. O meu coração está tão cheio de gratidão, ternura, amor e confiança. Isto tudo graças ao anjo bom que questionou-me, que fez eu buscar o verdadeiro caminho. Jamais tive tanta felicidade de estar viva. Estou vivendo uma fase cheia de problemas, mas tenho tanta fé na vida, tanta felicidade e gratidão. E estou rodeada de pessoas maravilhosas. Nem tenho palavras para expressar o quanto sou grata e feliz por existir, por ter o dom da vida.
"Obrigada Senhor por mais um dia!"

sábado, 17 de outubro de 2009

Partilhando a terapia holística de Silvana Giudice:


"Uma forma infalível de você testar se realmente perdoou a si mesmo ou alguém é recordando o incidente com detalhes, sem se alterar.Existe também uma técnica que consiste em declarar: Eu (ou ele-ela) mereço (merece) ficar livre disso: todas as vezes que o sentimento ou a lembrança surgir. Em seguida, você envia para a pessoa envolvida um sentimento de amor ou benção.Você faz isso independentemente do que acredita no momento, porque estamos começando por alterar uma crença para conseguir a liberação.No início, se o incômodo for muito grande, tente ao menos enviar uma pequena quantidade. Digamos uma bolinha de 1 cm de diâmetro por 1 segundo. Tão logo puder vá aumentando a quantidade sem forçar!Alguns clientes aumentaram diâmetros de quase 1 metro até um minuto inteiro. Sinal de total liberação!Conceder o perdão que o outro necessita nos faz fortes emocional e espiritualmente."
Silvana Giudice

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Partilhando minha leitura


Quando leio um livro, sinto-me como se estivesse conversando com o autor. Então, muitas vezes irei referenciar como se eu tivesse ouvido o que estiver relatando. Também gostaria que todos os membros da comunidade interagissem comigo, seja concordando, seja expondo sua opinião, seja me desafiando, enfim, que juntos possamos crescer dentro desta vivência que o Livro Despertando sua Energia nos proporciona. Então, vamos papear? A Lenda:
A Márcia narra uma belíssima lenda. E ao entrar em contato com a lenda sinto despertar dentro de mim a necessidade de trabalhar as lendas que existem em meu coração. Pergunto-me: "mas afinal, o que é a lenda?" Minha criança interior responde: - Lenda, dona Elisa, é a verdade disfarçada em contos de fadas. Fico refletindo o que a minha criança disse. Acolho com amor aquelas palavras. Tenho vontade de questionar um pouco mais. Nisto escuto a gargalhada tão gostosa da minha menininha. Fico contaminada com a alegria dela e ouso rever as minhas lendas. Porém fico confusa, pois muitas lendas saltam de meu coração. Eu não tinha a menor noção de como é grande o meu repertório de lendas. São tantas, mas tantas que nem sei ordenar, entretanto, tento. A primeira lenda: Sempre será o meu pai. Porque é a maior lenda que conheço. Um fênix. O meu pai é um fênix disfarçado de pai.
Sim, talvez seja meio difícil de entender, mas com o tempo, a gente partilhando nossas impressões, você, caro amigo leitor, há de entender a minha maior lenda.
Todas as vezes que meu pai entrava em uma grande dificuldade, após um período de sofrimento, eis que ele ressurgia, forte e poderoso. Minha criança o enxergava renascendo, literalmente, das cinzas. Eis que é a pura verdade. Hoje vejo que o sofrimento nem era necessário, talvez até sim, para que eu soubesse que sempre podemos ressurgir. Sempre poderemos tentar novamente. Deixo um desafio: Vamos ser fênix?

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Divina Providência

Quando a oração responde


O meu meio de transporte é a bicicleta.
Para chegar ao meu destino,
utilizo a ciclovia.
Para alcançá-la,
atravesso a avenida Beira-Mar.

Um rapaz transita em sua bicicleta,
sorrateiramente, sem zelos e sem preocupações.
Atravessa sem aguardar o sinal abrir e
sem avaliar as verdadeiras conseqüências.

Fecho os olhos e peço ao Universo:
"Cuida deste menino!"
O sinal abre, vou,
na ciclovia passo pelo rapaz,
que está parado.

Agradeço, pois vejo aquela parada como
providencial,
sigo,
sou ultrapassada.

O rapaz, na ultrapassagem, fala comigo.
- "Ando muito de bicicleta, já não temo mais"
- Sua vida é sagrada, precisa cuidar,
vi quando atravessou o sinal.
Orei por você, para que saiba que sua vida é linda,
precisa ser bem vivida.


- "Tem razão, vou cuidar mais."
Cuida mesmo.
Então pegou velocidade,
olhou para trás e disse:
- "Muito obrigado pelo carinho."

Então uma energia divina
brotou dentro do meu coração.
Pois vi a transformação de uma simples
oração.

Um véu caiu e uma outra realidade surgiu.
Com muita alegria.
Novo caminho o menino seguiu .
Com uma nova postura.

Um simples gesto de ternura
criou uma magia.
A vida é tão linda!
Tão linda, tão linda, tão linda
e tão simples!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Celebrar a vida

Estou em uma fase de minha vida que precisa de muita transformação. Porém nunca estou sozinha, sempre encontro a luz, mesmo nas situações mais difíceis.
A vida está apresentando seus desafios e eu estou os recebendo de braços abertos. Tenho trabalhado meu ego, meu orgulho e seguindo de cabeça erguida.
Todos os dias busco um motivo para ser muito feliz e encontro, nem que seja um majestoso urubu pousado em uma árvore. Estou tentando não desesperar-me com os problemas. São mestres para o meu crescimento.
Por isso celebro o dom da vida todos os dias. Meu coração está cheio de amor e gratidão por todos que estão a minha volta.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Permita-se ser feliz


Problemas, todos nós temos.
Dificuldades, todos nós temos!
Vida, todos nós temos!
Alegria, todos nós podemos ter.
Entretanto muitas vezes nós negamos o dom da alegria.
Alegria é o pulsar da vida.
É movimento.
Libertação.
Libertação de qualquer tipo de amarras.
A vida precisa fluir.
Precisa estar livre de ressentimentos,
mágoas e falta de perdão.

“Quando negamos o perdão ou o amor a alguém, por qualquer motivo, ficamos presos a tantas coisas antigas, que as boas não conseguem chegar até nós. Ficamos privados do bem de que privamos os outros.” Iyanla Vanzant

domingo, 27 de setembro de 2009

Sempre bom ler o que as pessoas estão aprendendo, principalmente um escritor como Veríssimo:


Dez coisas que levei anos para aprender...
Luis Fernando Veríssimo


1. Uma pessoa que é boa com você, mas grosseira com o garçom ou empregado, não pode ser uma boa pessoa.

Preste atenção, não se deixe enganar.

2. As pessoas que querem compartilhar as visões religiosas delas com você, quase nunca querem que você compartilhe as suas com elas.

3. Ninguém liga se você não sabe dançar. Levante e dance. E dance muito!


4. A força mais destrutiva do universo é a fofoca.


5. Não confunda sua carreira com sua vida.


6. Jamais, sob quaisquer circunstâncias, tome um remédio para dormir e um laxante na mesma noite.


7. Se você tivesse que identificar, em uma palavra, a razão pela qual a raça humana ainda não atingiu (e nunca atingirá) todo o seu potencial, essa palavra seria 'reuniões'.


8. Há uma linha muito tênue entre 'hobby' e 'doença mental'.


9. Seus amigos de verdade amam você de qualquer jeito.

E como amam, caso contrário, não são seus amigos.

10. Lembre-se: nem sempre os profissionais são os melhores.

Um amador construiu a Arca.

Um grande grupo de profissionais construiu o Titanic.

'Guardar ressentimentos é como tomar veneno e esperar que outra pessoa morra.'
William Shakespeare

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Hoje em dia é tão comum as pessoas se intoxicarem para sufocarem a voz do próprio corpo.

Porém já está na hora de pararmos para escutar o que nosso corpo tem para nos dizer.
Tempos atrás postei aqui a necessidade que eu tive de escutar a dor que devastava meu coração. Após ouví-la, esta nunca mais voltou. Confesso que foi difícil, entretanto foi possível ouví-la, sentí-la e libertá-la. Atualmente tenho muito mais consciência do meu corpo, desta forma estou mais presente. Vivo muito mais e o meu automático está, quase sempre, desligado.
Também descobri que sou corpo, emoção e espírito. Antes negava a minha existência física, com isto perdia a maior parte de minha existência, visto que moro em um plano físico, denso, ou seja, na matéria.
Eis que venho fazer aqui, ter uma experiência física.
Negar a dor é negar a minha existência. É fazer calar um mestre, negar uma vivência. E, ao negar, fico presa em um círculo de sofrimento, que é desnecessário. Pois posso permitir que o amor acolha este processo de restauração do equilíbrio. Visto que a dor é apenas um mensageiro de que estou saindo do meu eixo. Acompanhem as dicas de uma excelente terapeuta:

Não fuja da DOR - mergulhe nela

por Silvana Giudice - silvanagiudice@hotmail.com

Quando pensamos em DOR, um dos primeiros pensamentos que nos vem a cabeça é o de livrar-se dela.
Entretanto, tornar-se mais "consciente" dela também é um modo de fazer com que ela desapareça.
A sugestão é que você mergulhe diretamente na dor, vá de encontro a ela, ao invés de afastar-se.
Sinta a sua "presença". Procure não criticar, julgar, ou queixar-se.
Nesse processo você fará "perguntas" a si mesmo a respeito da DOR.
Não importa o quanto estas respostas possam ser estranhas.

Algumas perguntas sugeridas:
- qual o seu tamanho (compr.largura...)?
- quanto pesa?
- qual a sua cor? Cheiro? Forma?
- há quanto tempo você está aí?
- voce me protege de alguém ou de alguma coisa?
- quer me transmitir "algo" ?
As respostas das perguntas sugeridas também poderão lhe dar uma diretriz do PORQUE esta dor se "instalou em você".
Ista poderá deixá-lo mais consciente de que todo sintoma está intimamente envolvido com um distúrbio emocional.

EXERCÍCIO:
Respire profundamente algumas vezes e vá tomando contato com o seu corpo.
Permaneça alguns instante em silêncio. Só sentindo você....
Imagine um ponto colorido à sua frente. Observe esta cor (pode ser qualquer uma) e veja este ponto aumentar aos poucos de tamanho até pegar todo o seu campo visual.
Respire profundamente novamente.
Agora ele começa a diminuir, diminuir até voltar ao tamanho inicial e desaparecer totalmente.

Agora você irá fazer o mesmo com a DOR.
Imagine o incômodo aumentando, aumentando. Não fuja. Junte-se a ela.
Respire profundamente e comece a imaginar ela diminuindo, diminuindo até desaparecer totalmente.
Quando tiver concluído, a dor talvez tenha desaparecido ou pelo menos diminuido consideravelmente de intensidade.

Silvana Giudice
Terapeuta Holística
Verithas - Instituto de Desenvolvimento Humano.
Rua Emílio Mallet, 314
Tatuapé
São Paulo- Capital
fone: 3586-8885 e 9590-0515
recados- 3536-4003 com Andreza


Texto revisado por: Cris

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Confidência




Sempre que escrevo para alguém especial,
fico inspirada.
Achei que as palavras que organizei ficaram tão
significativas.
Na realidade foi o amor que sinto
que foi organizado em forma de palavras.
Após ler, desejei partilhar:


Ando numa correria sem fim,
mas levando a vida com paixão.
Os problemas existem, apenas mudei o foco.
Quanto a você, sou sua amiga, portanto,
preciso ser franca no que sinto.
Primeiro, sinto muito, sinto muito mesmo.
Você nasceu para ser feliz.
Precisa ser feliz.
Entretanto, você tem uma teimosia
quase insana.
Entendo bem sua teimosia, já fui assim,
ainda sou assim em muitos aspectos de minha vida.
Você está com sua vida toda voltada para um único aspecto.
Desta forma sua viagem está ficando monótona, cansativa,
desgastante mesmo.
Então você perde a paisagem,
perde a experiência, perde a magia de cada momento,
enfim, perde o sabor da vida.
Porque a vida é um jogo de equilíbrio.
Há outras facetas que exigem serem descobertas.
Precisam ser celebradas.
Pare, pare agora.
Reflita!
Questione-se:
O que a vida está querendo me ensinar?
Melhor:
O que a vida quer me presentear?
Por que não quero aceitar?
Fique em silêncio, aguarde.
Pode até demorar, mas receberá uma resposta.
Nada precisa ser perfeito,
nem exigido.
O que chega é exatamente o que precisamos.
Abra os braços e receba o dom da vida.
Aceite-se.
Somos humanos e nossa existência
é justamente para experimentar
a delícia de sermos que somos.

domingo, 6 de setembro de 2009

Partilha

Sobre a abrangência do amor metafísico...
Só podemos dizer, contudo, que o mundo não é mais meu nem seu, mas nosso. Que o que fazemos e empreendemos não pertence a mim e a você, mas a nós. Que os cumes, os caminhos, as manhãs de maio e o perfume das pétalas são nossos. Que toda bondade em relação aos outros, todo e qualquer modelo legítimo e desprovido de constrangimento para eles é nossa vida. Que a luta cheia de júbilos e o empenho seguro por algo escolhido são nossos. Nossos. Que isso não pode nunca mais se perder, mas só tem a possibilidade de se tornar mais rico, mais claro, mais seguro, a fim de crescer e transformar-se em uma grande paixão da existência.
Heidegger à Arendt [1925].

sábado, 29 de agosto de 2009

Massagem no EGO

Sei que é apenas ego, mas é tão bom receber um elogio.
Bem sei o quanto preciso esforçar-me para manter o equilíbrio.
Na maioria das vezes consigo ser bem sucedida, outras, nem tanto.

Entretanto, saber que é possível perceber que busco o equilíbrio e a paz,
faz um bem incrível para a alma.
Transcrevo aqui o elogio que a Thaís fez para mim:


"À sério, a senhora é uma pessoa radiante,
que apesar das atribulações
se mantém impávida e adorável."

Perdão pelo excesso de vaidade, mas isto é tão humano.
E sou apenas uma humana deslumbrada.
Quisera ser mais coerente e profunda,
mas, no momento, estou leve e descontraída.
Não aprecio levar a vida tão à sério.
A vida é apenas uma linda experiência!


domingo, 23 de agosto de 2009

Auto responsabilidade


A responsabilidade é sua!

Sua vida é planejada por você, ainda que isso pareça arrogante.

Se prestar atenção, verá que não há nada mais humilde do que a auto responsabilidade.

As pessoas... os vegetais... os minerais... o ar... a água... o fogo... a terra... e tudo que você vê... ouve... toca... sente... respira... lê... pode ajudá-lo na sua arte de viver.

E... se você está conectado com a Energia Suprema do Universo, você é um artista.

Crie e re-crie à vontade.

O mundo é sua tela... com todas as cores e pincéis.

O mundo é sua pauta... com todos os sons e ritmos

O mundo é um laboratório...

O alquimista é você!



por Maria Lúcia Pellizzaro Gregori -

terça-feira, 28 de julho de 2009

Dentro de si mesmo


"A vida tem que ser cuidada muito realisticamente. Vocês tem de ver dentro dos seus problemas, vocês tem de ir para suas verdadeiras raízes, vocês tem de queimar a verdadeira raiz de seus problemas....
Vocês estavam procurando por um paraiso?"

by:
Autoconhecimento
Autoconhecimento
:: Elisabeth Cavalcante ::

sexta-feira, 24 de julho de 2009


“Quando o passado é respeitado como é

e como foi, sem com que ele venha a

ser engrandecido ou diminuído, então

o passado servirá ao futuro de bom grado”.

Bert Hellinger