segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Um voo estrelar


O Lucas, meu filhinho, está há dez dias na casa da minha cunhada.
Ontem nos encontramos, pois todos fomos para a mesmo local.
Foi tão bom. Estávamos com muita saudades um do outro.
Sentamos na namoradeira e ficamos conversando.
Ele narrava as aventuras no condomínio de onde está.
Contava da façanha dos meninos que soltam pipas.
Surgiu um papo gostoso, lembranças dele
de uma vez que tentei empinar uma pipa para ele,
que não consegui.
E o papo levou-me a minha infância.
Contei que não sabia empinar pipas porque os meninos faziam tudo para mim.
Como eles gostavam muito de mim, só restava eu mandar.
Como eu gostava de mandar.
Então inventei que queria uma pipa em formato de estrela.
Eles alegaram que não seria possível devido ao fato de ficar pesada demais.
Não pestanejei, disse para que fizessem as varetas bem fininhas.
Assim foi feito.
Orgulhosos deles mesmos, colocaram a estrela no ar.
Foi muita emoção para todos.
Entretanto, os outros meninos ao avistarem tanta beleza no ar,
cortaram a pipa estrela e a confiscaram.
Possuída por uma estranha energia,
pus-me a correr atrás do meu tesouro.
Corri como jamais voltei a correr qualquer outro dia de minha vida.
Corri muito e o perseguido não foi mais capaz de correr.
E passou a pipa para outro fugir.
Mantive o ritmo e a corrida.
Acho que ao longe pensavam que eu voava.
Já não me lembro mais, mas acredito que naquele momento
já estava voando mesmo com a minha vassoura invencível.
Novamente a pipa vai para outras mãos, que corriam de mim.
E, após exaustão do segundo corredor,
um terceiro renovou o fôlego da fuga.
Neste momento peguei ainda mais velocidade
e alcancei a estrela.
De volta, com a estrela nas mãos,
fui recebida por aplausos e admiração
dos engenheiros da minha pipa.
Foi um dia de glórias.
Tanto para aquela menina que sonhou e exigiu a realização,
como daqueles que não mediram esforços para concretizarem tanta ousadia.
Nesta conversa ainda tive tempo de lembrar o dia
que desejei ter a casa do Pernalonga,
esta é uma outra história,
que fez meu filhinho rir muito.
Fica para um outro dia.
Beijos amorosos!

P.S.: Acho que está na hora de eu voltar a ousar.
A vida não será capaz de recusar.

Nenhum comentário: